Cronologia 4: O Século das Reformas 1706 - 1799

Data

Acontecimento

 

Observações

1706

(6, 13)

Em resultado duma inspecção mandada efectuar pela Mesa da Consciência e Ordens, são apontados diversos erros e deficiências na gestão hospitalar, quer a nível clínico, quer a nível administrativo

 

 

1706

(7, 10)

Provisão régia ordenando que o Hospital assistisse com remédios e enfermeiro ao convento de S, Miguel das Gaeiras

 

 

1706

Doação destinada a custear construção de Convalescença

 

Manuel Matos e Sousa, Capitão Tenente da Torre do Outão, Comendador da ordem de Cristo

1706

Inspecção ao Hospital

 

 

1709

Inspecção ao Hospital

 

 

1712

Caldas da Rainha com 231 moradores

 

Carvalho da Costa, Corografia Portuguesa

1724

Administração entregue a um leigo

 

José da Cunha Cardoso

1732

Caldas da Rainha com 306 fogos e 793 almas

 

De acordo com a Lista de fogos e almas que ha nas terras de Portugal no anno de 1732 , mandada fazer pelo Marquês de Abrantes

1735

O médico "estrangeirado" Jacob de Castro Sarmento publica Materia Medica Físico-Histórica-Mecânica , com extensas referências às águas das Caldas

 

Segundo o Autor, as águas das Caldas não eram conhecidas fora de Portugal, merecendo sê-lo

1740

O Provedor do Hospital recebe confirmação real do privilégio (de 1576) que dizia ser necessária a sua autorização para a instalação de novos habitantes nas Caldas

 

 

1740

( 12, 19 )

Rei concede aos habitantes das Caldas isenção de direitos de portagem

 

 

1742

(7, 10)

D. João V vem às Caldas em tratamento

 

Esta é a primeira de uma série de 13 deslocações, até 1750. João Pedro Ludovice foi enviado para estabelecer a distribuição da comitiva pelas casas da vila. Plano da vila das Caldas feito no ano de 1742 em que El-Rei Nosso Senhor foi tomar o remédio dos banhos (Biblioteca Nacional)

1742

Manuel da Maia escreve Memorias para o Sistema das agoas dos banhos das Caldas da Rainha, principiadas no anno de 1742, tempo que El Rey N.S. foi tomar o remedio dos banhos

 

 

1742

(3)

Provisão da Rainha proíbe médicos do Hospital de desempenhar cargos municipais

 

 

1742

(8, 4)

Confirmação da reforma do couto de homiziados decidida por Filipe I em 1598

 

 

1742

( 10,26 )

Rei concede aos habitantes da vila o privilégio de adquirirem carne em Óbidos pelo mesmo preço do Hospital

 

 

1743

(5)

D. João V é visitado nas Caldas por Sebastião José de Carvalho e Melo, então embaixador em Londres

 

 

1743

(6)

Provisão real revoga o despacho segundo o qual os médicos do hospital não poderiam desempenhar cargos municipais

 

 

1747

(2, 27)

D. João V ordena a Manuel da Maia que planeie e execute uma série de obras e melhoramentos no Hospital das Caldas

 

 

1747

(3, 28)

Gravura que mostra o Hospital tal como ele se encontrava meses antes do início da reconstrução do edifício.

 

 

1747

(4, 22)

D. José nas Caldas a tratamento

 

(A. Silva Carvalho, 1932, p. 182)

1747

(5, 6)

Manuel Martins, "mestre de obras do oficio de carpinteiro", assina contrato para a execução da obra do novo Hospital

 

 

1747

(5, 15)

Ordem para abrir o Hospital a 1 de Abril

 

Assim o determinava o Compromisso, mas os provedores costumavam atrasar a abertura para a primeira ou segunda semana de Maio.

1747

(5, 19)

Início da obra de "reedificação" do Hospital, dirigida por Manuel da Maia em colaboração com Eugénio dos Santos Carvalho e Pedro Gualter da Fonseca

 

Neste dia "se tinha principiado a marcar o terreno da Praça Velha" e a 31 deste mês "se principiou a ferir a terra" . A obras são concluìdas em 1750 e ao todo foram gastos 132 contos de reis. O Hospital passará a dispôr de 143 camas e 44 camarotes

1748

(5, 1)

Manuel da Maia é encarregado da contrução de um aqueduto de abastecimento de água potável às Caldas da Rainha

 

Em Setembro deste ano inicia-se a construção da obra de "aqueducto, fontes e minas desta villa das caldas"

1749,

(8, 13)

Provisão da Rainha D. Maria Ana ordenando a construção da obra dos "novos paços do Conselho, cadea e asougue da villa das Caldas"

 

Um "instrumento de contrato" assinado em Outubro deste ano entre o Hospital e a Câmara permite a cedência de terrenos do Hospital para construção do novo edifício dos Paços do Concelho

1749

(11, 24)

Início das obras dos novos Paços do Concelho

 

Nesta data " se principiou a cavar nos aliserses da caza da camera, cadeas e asougue desta villa das caldas"

1751

Conflito de competências entre Hospital e Câmara a propósito da possibilidade ou não do Provedor efectuar prisões. A Mesa da Consciência e Ordens decide a favor do Hospital

 

 

1752

Publicação do livro Observaçoens das Agoas das Caldas , de autor incerto

 

Título completo: Observaçoens das Agoas das Caldas oferecidas a todos os enfermos pobres que necessitam deste milagroso remédio para cura de seus achaques. Por um curioso que há vinte anos que vive a benefício das ditas águas

1753

Jacob de Castro Sarmento publica livro sobre as águas termais caldenses

 

Apêndice ao que se acha escrito na Matéria Médica sobre a natureza, contentos, efeitos e uso prático em forma de bebida e banhos das águas das Caldas da Rainha

1758

Caldas da Rainha com 308 moradores, distribuídos por vinte ruas principais

 

Dados da Memória Paroquial redigida pelo Padre André Gomes de Carvalho, em resposta a um inquérito da Secretaria de Estado dos Negócios do Reino (publicada por L.N. Rodrigues, 91)

1760

D. José I nas Caldas da Rainha

 

 

1772

(1, 12)

Morte do Provedor Padre José de Santa Ursula, último provedor lóio do Hospital

 

O Juiz de Fora das vilas de Caldas e Óbidos desempenha provisoriamente as funções de Provedor

1775

(4, 20)

Promulgado o novo Regimento do Hospital Real das Caldas, que revoga o Compromisso em vigor desde 1512

 

O Hospital passa a ser tutelado pela Secretaria de Estado dos Negócios do Reino, a quem compete nomear e demitir a direcção

1778

José Martins da Cunha Pessoa publica Analize das Agoas Thermaes das Caldas da Rainha

 

 

1779

José Nunes Gago publica o Tratado Phyzico-Chimico-Medico das Aguas das Caldas da Rainha

 

 

1780

(9-25)

A rainha-viúva de D. José (Mariana Vitória) e a infanta Mariana nas Caldas

 

 

1781

Joaquim Inácio de Seixas Brandão publica Memorias dos Annos de 1775 a 1780. Para Servirem de Historia à Analysee Virtudes das Agoas Thermaes das Caldas da Rainha.

 

 

1781

Rainha D. Maria I nas Caldas

 

Voltou em 1782, 1788, 1793 e 1794

1782

(9, 10)

D. José, filho primogénito de D. Maria, Principe do Brasil, nas Caldas

 

 

1786

Laureano Joaquim de Sousa, Mappa Geral das acomodaçoens que se fizerão na Villa das Caldas para sua Mag.e e AA.e mais familias da cometiva, no prezente ano de 1786, Frontaria do Paço das Caldas , desenhos à pena aguarelados

 

(Museu Nacional de Arte Antiga)

1786

(8, 25)

D. José, Principe do Brasil, e mulher nas Caldas

 

 

1787

(5, 5)

D. José, Principe do Brasil, nas Caldas

 

Voltou no ano seguinte na mesma data

1791

Francisco Tavares, professor da Universidade de Coimbra, publica Advertencias sobre os abusos, e legitimo uso das Aguas Mineraes das Caldas da Rainha, para servir de regulamento aos enfermos que dellas tem precisão real

 

 

1795

O químico inglês William Withering publica Analyse Chimica da Agua das Caldas da Rainha

 

 

1798

Caldas da Rainha com 424 fogos

 

Dados do censo mandado efectuar pelo Intendente Pina Manique

1799

(1, 3)

O ministro José Seabra da Silva faz publicar um regulamento da "polícia e fazenda" do Hospital.

 

 

1799

(1,11)

António Gomes da Silva Pinheiro Administrador do Hospital

 

1799-1833

1799

Criação do Passeio da Copa

 

 

1799

Frequentam o Hospital 2000 doentes, repartidos entre Religiosos (61), Condutas da Misericórdia (381), Soldados (277), Criados (68), "Avulsos" (1209) e Pagantes (4)