Nota biográfica sobre Nuno Portas

Nasceu em 1934. Frequentou o Curso de Arquitectura na Escola de Belas Artes de Lisboa, mas foi na Esciola de Belas Artes do Porto que defendeu tese de licenciatura em 1959.

Começou a trabalhar com o Atelier de Arquitectura de Nuno Teotónio Pereira em 1957, passando, no ano seguinte a fazer parte da direcção da revista Arquitectura. A colaboração aqui publicada foi distinguida em 1963 com o prémio Gulbenkian de Crítica de Arte. Em paralelo, desenvolveu intensa actividade como cineclubista e crítico de cinema em diversos jornais. Entre 1862 e 1974 foi investigador do Laboratório Nacional de Engenharia Civil, onde coordenou o Núcleo de Pesquisa de Arquitectura, Habitação e Urbanismo. Entre 1965 e 1971 leccionou a cadeira de Projecto na Escola de Belas Artes de Lisboa.

No Atelier de Nuno Teotónio Pereira, onde se manteve até 1974, Nuno Portas deixou o nome ligado a edifícios tão marcantes como a Casa de Habitação de Vila Viçosa, a Igreja do Sagrado Coração de Jesus ou edifício "Franjinhas", em Lisboa, e a projectos urbanos tão inovadores como o do Restelo ou dos Olivais, também em Lisboa.

Em 1974 aceitou o cargo de Secretário de Estado da Habitação e Urbanismo, funções em que se manteve durante os três primeiros Governos Provisórios. Lançou o processo de constituição das cooperativas de habitação, promoveu a criação de gabinetes de apoio local, criou o programa SAAL (Serviço de Apoio Ambulatório Local), baseado numa metodologia de participação dos cidadãos na decisão das questões relativas à habitação e ao urbanismo, e deu os primeiros passos conducentes à adopção do planeamento local (Planos Directores Municipais). Em 1990 integrou o executivo municipal de Vila Nova de Gaia, como vereador do urbanismo.

Como urbanista tem, desde o final da década de 70, desempenhado inúmeras e diversas missões, quer na elaboração de planos, quer no acompanhamento da execução de planos, tanto em Portugal como no estrangeiro. Foi consultor dos planos de ordenamento dos municípios do Vale do Ave, coordenou o plano do campus da Universidade de Aveiro, foi responsável pela primeira versão do Plano Geral da Expo 98 e dos termos de referência para o concurso de concepção e construção da área de Chelas, em Lisboa, foi consultor urbanístico para área histórica do município de Guimarães.

Coordenou o Planeamento Intermunicipal de Madrid (1980-1983), foi consultor do Plano Estratégico Metropolitano de Barcelona (1991-92) e do Plano de Ordenamento de Santiago de Compostela. No Rio de Janeiro, foi autor, com Oriol Bohigas, do Plano de Frente de Mar e Estação das Barcas (1997-2000) e do Plano de Recuperação da Zona Central (1995-2000). Foi consultor das Nações Unidas e da União Europeia para as questões urbanísticas e de investigação. Cooperou com as autoridades de Cabo Verde na preparação de legislação urbanística.

Passou a integrar o corpo docente no Curso de Arquitectura da Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto em 1983. Participou no processo de criação da Faculdade de Arquitectura da mesma Universidade, de que foi Professor Catedrático (1989), hoje jubilado. Nessa qualidade, presidiu ao Conselho Científico da FAUP e fundou e dirigiu o Curso de Mestrado em Planeamento e Projecto do Ambiente Urbano. É membro da Comissão Científica Consultiva do Departamento Autónomo de Arquitectura da Universidade do Minho.

Foi professor convidado da Escola Técnica Superior de Arquitectura de Barcelona, do Instituto de Urbanismo de Paris, da Universidade de Paris VIII, do Politécnico de Milão, da Universidade de Ferrara e da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

É doutor Honoris Causa pela Universidade de Aveiro e pelo Instituto Politécnico de Milão. Tem o Prémio Sir Patrick Abercrombie de Urbanismo da União Internacional de Arquitectos. Foi distinguido com a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique.

Fontes:

"Nota Biográfica", in Nuno Portas, Os Tempos das Formas, I: A Cidade Feita e Refeita, Guimarães, Departamenton Autónomo de Arquitectura da Universidade do Minho, 2005, p. 307-309. Ana Vaz Milheiro e João Afonso (coord.), Nuno Portas, Prémio Sir Patrick Abercrombie, Prize UIA 2005, Lisboa, Ordem dos Arquitectos, 2005.